Previous
Next
A infertilidade é uma doença reconhecida pela Organização Mundial de Saúde, com uma prevalência que se estima atingir cerca de 10% a 15% da população em idade reprodutiva, afetando um número crescente de pessoas no mundo contemporâneo. A escala do problema exige acção concertada por parte das diversas entidades envolvidas na saúde e no apoio social. De modo a implementar o seu programa, a APFertilidade solicitou e obteve em 2010 o estatuto de Instituição Particular de Solidariedade Social (IPSS).

A Associação Portuguesa de Fertilidade foi legalmente constituída no dia 20 de Maio de 2006, na sequência de um movimento cívico protagonizado por pessoas com problemas de fertilidade. Duas décadas após o início da procriação medicamente assistida em Portugal, período marcado pela distribuição desigual dos centros de tratamento, pela ausência de legislação específica, pela limitação no acesso a diversas técnicas, pela falta de informação e por um manifesto desinteresse pelas questões (médicas, psicológicas, sociais e económicas) relacionadas com esta doença, a APFertilidade nasceu como um projeto fundamentalmente destinado a apoiar, informar e defender esta comunidade.

Desde a sua fundação, a Associação Portuguesa de Fertilidade conta sobretudo com a generosidade e o voluntariado dos seus associados, tendo vindo a avançar de modo sustentado com um programa de ação que, tendo começado por colocar a infertilidade na agenda pública, se centra atualmente no apoio e na inclusão (legal e social) de todas as pessoas com este problema. O site da associação pretende funcionar como um grande centro de informação, orientado para a comunidade e para o indivíduo, funcionando simultaneamente como um fórum de encontro e debate sobre todas as questões (legais, médicas e científicas relacionadas com a fertilidade.

OBJETIVOS

Apoiar

Apoiar e promover as assistências médica e psicológica de todas as pessoas com problemas de fertilidade em Portugal.

Promover

Defender a constituição de uma rede de centros de tratamento (públicos e privados) geograficamente equilibrada, sujeita a certificação e publicitação de resultados.

Debater

Promover o debate público e científico sobre a fertilidade, nomeadamente através do patrocínio de encontros científicos e ações de divulgação.

Informar

Construir uma base de informação detalhada sobre fertilidade em Portugal, incluindo um diretório dos centros de tratamento, um fórum público, um manual de fertilidade, informação sobre processos nacionais e internacionais de doação de gâmetas e de adoção de crianças.

Formar

Criar uma rede nacional de aconselhamento e apoio psicológico, estabelecendo contratos com entidades na área da saúde, contribuindo para a formação de profissionais e associados em regime de voluntariado, tanto no Continente como nas Ilhas.

Defender

Representar as pessoas com problemas de fertilidade junto das instituições e agentes privados e estatais.

CORPOS GERENTES

corpos gerentes apf
DIREÇÃO

PRESIDENTE – Cláudia Vieira
VICE-PRESIDENTE – Filomena Gonçalves
SECRETÁRIA – Marta Casal
TESOUREIRA – Marta Carvalho
VOGAL – Joana Freire

MESA DA ASSEMBLEIA

PRESIDENTE – Elisabete Abrantes
1ª SECRETÁRIA – Olinda Dinis
2ª SECRETÁRIA – Carla Caseiro

CONSELHO FISCAL

PRESIDENTE – Bárbara Albuquerque
VOGAL – Ana Sofia Caniço
VOGAL – Elsa Ferreira

Torne-se associado

Ao juntar-se à APF pode beneficiar de condições especiais em consultas, exames e tratamentos de fertilidade, assim como contar com uma rede profissional de apoio, orientação e aconselhamento.